titfundcentrado.png

Temporada encerrada.

Release  - SEJA HOMEM 

Diego Werner apresenta monólogo contemporâneo em tom confessional sobre o caso de um médico que se apaixona por uma moça mais nova, ainda menor de idade, com que se casa mais tarde. Ao longo de um relato franco e desnorteado, seguindo por entre momentos de sua vida ora belos, ora vergonhosos, a ação desemboca em uma completa tragédia. Tal desfecho já vinha se formando pelas ações manipuladoras de um homem que não media esforços para fazer de sua vida algo próximo ao que se espera de um homem que está no comando.

 

São levantadas algumas das questões que mais se discutem em nosso tempo tais como: relacionamentos abusivos, manipulação e machismo. O texto é assumidamente uma releitura de “A Dama do Mar” de Henrik Ibsen, mas não fica com o olhar preso ao retrovisor e busca fugir de maniqueísmos. “A ‘confissão’ que eu faço, de certo modo, tem mais a ver com a forma como eu vejo os homens hoje do que com algum fato da minha vida pessoal. Nossas representações masculinas antigas não nos ajudam a descobrir o que é ser um homem no mundo atual, pois estamos na época das falhas. Hoje todos são falhos, todos são em alguma medida facilmente derrubados”, explica o autor que encena o próprio texto.

 

Esteticamente, o cenário é minimalista e expressa a solidão de quem está à espera de um julgamento. Ele é protagonista e única testemunha da tragédia que encerra seus esforços no desesperado intuito de "ser um homem".  O ciclo de uma história de quem se achava sob controle de tudo termina com a destruição de quem ele tanto lutava para manter ao seu lado.

 

Pode-se afirmar sem sombra de dúvida que a peça esmiúça os aspectos sombrios da masculinidade, o seu lado desprovido de hombridade, de respeito ao outro, a chamada "masculinidade tóxica" que molda toda uma cultura misógina pronta para sufocar homens e mulheres, produzindo ora algoz, ora vítima.

 

Sobre o autor: Assim como o personagem, Diego Werner é médico, tendo concluído a sua graduação em 2008 na UFPR em Curitiba, cidade na qual iniciou os estudos cênicos em cursos de improvisação e atuou em coletivos locais, principalmente em stand-up comedy, além de esquetes humorísticas no programa esportivo Jogo Aberto da Tv Bandeirantes. Anos depois, em 2011, veio para São Paulo a fim de ingressar na Escola de Teatro Célia Helena, formando-se em 2013. Em 2015 produziu e atuou na peça “Amor Sob Suspeita”, de Steven Dietz, sob a direção de Alexandre Tenório, ficando em cartaz por 06 meses na capital paulista.

 

Sobe o monólogo:

Duração: 01 hora

Temporada: todas as quintas-feiras de novembro

Local: Teatro Viga | Rua Capote Valente, 1323 – Pinheiros.

Horário: 21h

Valor: R$ 30,00